top of page
income markets.jpg

ANÁLISES

Fique a par das novidades do mundo da alta finança e mantenha-se atualizado para fazer os melhores investimentos no momento certo.

ARTIGOS DE OPINIÃO

ANÁLISES  DE MERCADO

LANÇAMENTO DE ARTIGOS

NOVIDADES FINANCEIRAS

Estratégias (Prudentes) de Maximizar Rendimento da Reforma

Hoje vamos falar sobre um tema extremamente importante mas que teima em raramente ser discutido – como é que eu consigo maximizar o meu rendimento na reforma, sem aumentar significativamente o risco de longevidade (acabar o dinheiro). Considerados por muito como o “Santo Graal” do planeamento financeiro, a resposta à pergunta supramencionada tem escapado ao público em geral. Pois bem, este artigo pode trazer boas notícias.


Ao longo deste artigo, vou procurar evitar as minúcias financeiras e técnicas. Este artigo tem como objetivo ser percetível pelo ‘investidor médio’. Deixo também a nota de que a única razão pela qual utilizei dados sobre o mercado americano foi porque temos muito mais informação prontamente disponível. Durante a nossa pesquisa, testámos as conclusões com dados para diferentes países e os dados foram bastante consistentes.


Importa também ressalvar que nada do que está aqui escrito deverá ser entendido como uma recomendação de investimento, e que cada investidor deverá procurar aconselhamento profissional específico à sua situação. As opiniões aqui descritas apenas refletem a minha opinião e da Abacus Wealth Management.


Como um todo, considero que os investidores reformados partilham um objetivo simples e que pode ser descrito em quatro perguntas:


- Tenho o suficiente para me reformar?

- Quanto é que necessário?

- Irá o meu rendimento acompanhar a subida do custo de vida (inflação)?

- E se os mercados caíssem, por exemplo, 30% amanhã? Quanto é que isso me afetaria?


Este artigo irá focar-se na pergunta “Qual é o montante máximo que eu consigo retirar prudentemente do meu fundo de pensão todos os anos? Ao mesmo tempo que procurará clarificar aquelas perguntas individuais.


A primeira tentativa formal de responder a esta pergunta é atribuída a William Bengen, CFP©, e ficou conhecida como “A regra dos 4%”. Antes de Bengen (1994), as taxas de juro encontravam-se a significativamente mais altas e, como consequência, a “estratégia de reforma tradicional” era investir em obrigações e viver do juro… Infelizmente desses bons tempos apenas restam as saudades.

Fonte: Dados da Bloomberg, cálculos da Abacus Wealth Management


Bengen fez um estudo exaustivo sobre a performance de diferentes ativos, com especial enfoque


nas quedas dos mercados durante as décadas 1930 e 1970. Ele concluiu que, mesmo nos piores cenários, não houve nenhum caso histórico em que retirar 4% ao ano de um portfólio diversificado exaustasse um fundo em menos de 33 anos (em linha com a esperança média de vida de um reformado na altura). Em português simples: se eu tivesse um fundo de pensões com €250,000 e investisse num portfólio de risco médio (60% ações, 40% obrigações), Bengen mostrou que eu posso prudentemente tirar €10,000 ao ano, e aumentar em linha com a taxa de inflação (3.5% sensivelmente) todos os anos. Após 25 anos, este rendimento ajustado à inflação seria equivalente a €23,632.45 por ano.


Vamos pensar sobre isto por um momento: nós sabemos que 1) os mercados financeiros são voláteis, 2) investir envolve risco, 3) 4% é a taxa prudente a que eu posso obter rendimento na reforma, mas o que eu quero mesmo saber é qual é a taxa MÁXIMA a que posso retirar dinheiro (“taxa de rendimento” daqui em diante), sem arriscar perder a casa. Será que 4% me compensa adequadamente pelo risco que corro quando invisto?


Felizmente para nós, não somos os únicos a ponderar estas questões. Em 2004 e 2006, Jonathan Guyton, CFP©, publicou dois artigos a argumentar que ao optar por tirar dinheiro a uma taxa fixa durante bons e maus momentos nos mercados, o reformado médio iria efetivamente estar a “deixar dinheiro na mesa”. Com o tempo, o reformado médio irá relembrar a sua reforma e ficar frustrado ao contemplar quão melhor estilo de vida que poderia ter tido, se tivesse decidido gastar mais dinheiro.


Ao invés de utilizar uma taxa fixa de rendimento, Guyton argumentou a favor de uma gestão de taxa de rendimento dinâmica e suportada pelas seguintes regras: aumentar o rendimento quando os mercados têm bons desempenhos, e proteger o fundo de pensões ao diminuir a taxa de rendimento durante maus períodos do mercado. Esta abordagem é por sua vez alicerçada em estudos que demonstram que os reformados, e não só, tendem a diminuir o seu consumo durante períodos económicos menos favoráveis (um recente exemplo foi o da pandemia COVID-19, apesar de haverem outras fatores na diminuição do consumo). Como tal, a ‘dor’ de ter de diminuir o rendimento do fundo de pensões seria suportável. Estudos compilados por Guyton e outros autores estão na base de como a Abacus Wealth Management aconselha os seus clientes. Segue-se uma tabela que sumariza os resultados dos estudos de Guyton:

Fonte: “Decision Rules and Maximum Initial Withdrawal Rates”, Guyton & Klinger, 2006


Utilizemos um exemplo: a Maria tem um fundo de pensões avaliado em €650,000 e pretende tirar um rendimento anual de €26,000 (4% do fundo). Se a Maria viver durante 30 anos, ela irá auferir um rendimento acumulado real (sem contar com subidas indexadas à inflação) de €780,000 durante a sua reforma. Então e se a Maria pudesse ter um rendimento anual de €35,750 (5.5% do fundo)? Durante os mesmos 30 anos, a Maria iria auferir um rendimento acumulado real de €1,072,500 – uns risonhos €292,500 (acréscimo de 38%!) a mais. Quando se trabalha com um financial advisor competente, paga-se mais mas também se recebe mais.


O aspeto que eu considero ser mais encorajante deste conhecimento, é que conseguimos convertê-lo para responder à perpétua pergunta “Será que tenho o suficiente para me reformar/Quando é que me posso reformar confortavelmente?”. Se eu quiser um rendimento anual de €30,000, e souber que posso contar com uma taxa de rendimento de 5% do fundo ao ano, irei precisar de acumular um fundo de €30,000/5% = €600,000. Por outro lado, se eu apenas puder contar com uma taxa de rendimento de 4% do fundo ao ano, irei precisar de acumular um fundo de €30,000/4% = €750,000. Este método simples afasta quaisquer preocupações sobre a nossa bola de cristal estár afinada ou não.


Se o leitor considerar o conceito de “aumentar ou diminuir o rendimento com base em regras dinâmicas” complexo, nós na Abacus Wealth Management procurámos criar uma maneira simples e percetivel de entender o conceito. Intitulámos o conjunto de regras que permitem aumentar o rendimento de ‘Upper Guardrail’ – corrimão superior- e o conjunto de regras que sugerem uma redução do rendimento ‘Lower Guardrail’ – corrimão inferior:



Até agora tudo muito polido e bonito mas o leitor já deve estar a questionar que falta mencionar um dos pontos essenciais à análise anterior: o impacto dos custos. Para um investidor reformado, pouco importa saber quanto é que a sua carteira de investimentos está a crescer ou descer cada ano. Importa sim quanto é que a sua conta está a subir ou descer, após todos os custos e comissões serem considerados (a performance líquida). Nós pretendemos ser totalmente transparentes e justos com os nossos custos, e utilizamos um ‘teto máximo’ de 1.5% do fundo ao ano – isto inclui TODOS os custos com investimentos, plataforma e acompanhamento profissional. Para incluirmos o impacto dos custos na nossa análise, basta adicioná-los à taxa de rendimento anual. Exemplo: uma taxa de rendimento líquida de 4% é equivalente a uma taxa de 5.5% bruta (antes de custos e comissões). Da pesquisa que fizemos no mercado, o ‘típico’ fundo de investimento recomendado por empresas concorrentes custa mais de 1.5% ao ano por si só. O que quer dizer que a taxa de custo total cobrada ao cliente, quando incluímos aconselhamento, plataforma, etc, é próxima de 2.5% - 3% ao ano. Neste artigo já abordámos a diferença abismal que 1.5% ao ano pode fazer em períodos temporais longos.


Se gostou do conteúdo deste artigo e a sua estratégia de rendimento-reforma é alicerçada em ‘esperança’ e na pensão do estado, mais do que em dados históricos, estudos académicos e análise de múltiplos cenários, entre em contato connosco e marque uma primeira reunião grátis com um consultor da Abacus Wealth Management.



Fonte: Bloomber Data, Abacus Wealth Management


João Feliciano Martins

Wealth Manager



 

A Income Markets é uma marca registada de educação financeira com o objetivo de fomentar a literacia financeira da sociedade. O nosso site contém apenas a nossa opinião e existe apenas para fins formativos e informativos. Antes de investir em ativos financeiros é imperativo que procure e faça formação financeira. Todo o material disseminado e publicado, incluindo artigos, dados e gráficos, é apenas para fins informativos, uma vez que a Income Markets, e os seus mentores, não efetuam nenhuma atividade de intermediação financeira e gestão de carteiras. Quaisquer opiniões, análises, preços ou outros conteúdos são fornecidos para fins educacionais e não constituem conselhos de investimento ou uma recomendação. O desempenho passado não é necessariamente indicativo de resultados futuros, e qualquer pessoa que atue nessas informações o faz inteiramente por sua conta e risco, não assumimos responsabilidade por qualquer perda ou dano, incluindo, sem limitação, qualquer perda de lucro, que possa surgir diretamente ou indiretamente do uso ou confiança em tais informações.

109 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page