top of page
income markets.jpg

ANÁLISES

Fique a par das novidades do mundo da alta finança e mantenha-se atualizado para fazer os melhores investimentos no momento certo.

ARTIGOS DE OPINIÃO

ANÁLISES  DE MERCADO

LANÇAMENTO DE ARTIGOS

NOVIDADES FINANCEIRAS

Prever o Futuro

“Between the optimist and the pessimist, the difference is droll. The optimist sees the doughnut; the pessimist the hole!” – Oscar Wilde.



2020… Um ano que tão cedo não vamos esquecer! Agora que já passou, paira a questão do que podemos esperar de 2021. Enquanto vamos digerindo projeções do próximo trimestre e revemos em retrospetiva o melhor e pior do ano que passou, pasma-nos quão dispares costumam ser as previsões dos “especialistas”. Embora pese que após um ano tão volátil, a nossa capacidade de aceitar surpresas é maior. Resumindo, em 2020:


- Estima-se que a economia chinesa cresceu 1.9%, porém o Shanghai Composite disparou 38%.

- Estima-se que a economia americana cresceu 4.3%, enquanto o S&P500 e o Nasdaq100 subiram 16% e 43%, respetivamente.

- Estima-se que a economia britânica contraiu 9.8%, enquanto o FTSE100 caiu 14%.

- A base monetária americana (M2) expandiu-se em 25%, para +/- 19.2 biliões de dólares, enquanto o défice americano deverá rondar os 3.8 biliões de dólares em 2020, ao mesmo tempo que o Ouro disparou 25%.


Para os leitores que questionam o porquê do realce nos EUA, deve-se isto a terem a maior economia do mundo (+/- 23%) e as suas bolsas representam cerca de 47% da capitalização bolsista mundial. Ou seja, o que acontece nos EUA afeta, e é afetado por, o resto do mundo.


Avancemos para a parte interessante. O que vai acontecer em 2021? Tal como já referimos em artigos anteriores, acreditamos que a melhor forma de prever o futuro passa por ter um conhecimento sólido do passado. “History doesn’t repeat itself, but it often rhymes”.


Voltando 119 atrás - até 1901, o mercado acionista americano registou a seguinte dispersão de retornos anuais:


1. 51% Das vezes entre -16% e +16%

2. 34% Das vezes acima de 16%

3. 14% Das vezes abaixo de -16%


Isso mesmo. Se pretende investir para o longo prazo, prepare-se para ver a sua alocação a ações flutuar dentro de uma fronteira de 32% a maior parte do tempo, e para ver as suas ações descerem mais de 16% uma vez a cada 8.5 anos. Números assustadores, nós sabemos. Pergunta o poeta: vale a pena?


No gráfico que se segue, cortesia da Crestmont Research, podemos observar o retorno médio em cada período de 10 anos que um investidor teria, ao investir no S&P500. I.e: a última barra no gráfico da esquerda (2019) diz-nos que se tivéssemos investido durante os 10 anos a terminar em 2019 (2009-2019), teríamos tido um retorno médio anual de 14.423%. Ou seja, um investimento de $100,000 teria crescido para $432,524.2 com os juros reinvestidos.


Fonte: crestmontresearch.com


O gráfico à esquerda conta-nos que este foi um período admirável e acima da média. A maioria dos períodos de 10 anos não foi assim tão simpática. Cremos que a análise combinada de ambos os gráficos é bastante esclarecedora.


Munidos agora de uma melhor perceção do risco, e potencial retorno, de investir em ações no longo prazo, o que é que será então razoável esperar para 2021? As grandes autoridades repetem vezes sem conta que o mercado acionista americano gera, em média, um retorno anual de 10%, mas não será que as médias enganam? Poderá um consultor financeiro conservador basear-se nesta taxa para planear quanto é que o seu cliente pode retirar na reforma, ou quanto é que o mesmo deve poupar para colher os frutos de uma reforma confortável? Na nossa opinião: nem por isso.


No gráfico anterior à direita, podemos constatar que os retornos raramente rondam perto da média. Em 43% das ocasiões, o retorno anual é inferior a 8% e tal como referido, inferior a -16% uma vez a cada 8.5 anos.


Implicações Futuras e Conclusões:


Fonte: crestmontresearch.com


Retomando uma a uma perspetiva de longo prazo, atentemos agora a retornos em regime de capitalização para períodos de 20 anos. A leitura deste gráfico é semelhante à do gráfico anterior: as barras azuis representam o retorno anual médio em cada período de 20 anos. I.e: um investidor que tivesse investido durante o período de 20 anos terminado em 2019 (1999-2019), teria tido um retorno médio anual de 6.08%. Ou seja, um investimento inicial de $100,000 teria crescido para $339,056.68 com os juros reinvestidos.


No mesmo gráfico, podemos distinguir uma linha vermelha que representa a expansão e contração do Rácio Preço-Lucros Ciclicamente Ajustado (Cyclically adjusted price-to-earnings ratio), tal como introduzido pelo Prof. Robert J. Shiller. É de notar uma conclusão importante: quando o rácio (linha vermelha) está a subir, os retornos médios anuais (barras azuis) tendem a ser acima da média, e vice-versa. Num próximo artigo iremos abordar porque é que este fenómeno ocorre. Por agora, o leitor apenas precisa de saber que os sentimentos de medo e ganância dos investidores são os principais responsáveis pela volatilidade nos mercados acionistas, e que os desenvolvimentos económicos são responsáveis pelo resto.


Tendo identificado este padrão de que aumentos no rácio Preço-lucros levam a retornos anuais acima da média, importa perguntarmo-nos 1) qual é o rácio Preço-lucros atual, 2) é expectável que ele vá subir ou 3) é expectável que ele vá descer?

Fonte: Bloomberg, Abacus Wealth Management


À data em que este artigo é escrito, o S&P500 regista o segundo Rácio Preço-Lucros Ciclicamente Ajustado mais elevado de sempre (34.19), o que nos coloca bem dentro do 1st Decile de retornos anuais de 20 anos – com um retorno esperado de 5.1% nos próximos 20 anos, consideravelmente abaixo da média.


O leitor provavelmente está a pensar que isto é tudo demasiado complexo e requer demasiado tempo para lidar sozinho… Temos boas notícias: não precisa de o fazer. Ao trabalhar com um consultor da Abacus Wealth Management beneficia de todo o nosso conhecimento, ferramentas e experiência ao seu dispor. Contacte-nos ou agende uma reunião através do nosso website, se não sabe como melhor se posicionar para tirar o máximo proveito deste ambiente de mercado, ou se simplesmente deseja proteger o seu património e o da sua família de todas as incertezas que a vida traz. Cá contamos consigo, quando contar connosco.



João Feliciano Martins

Wealth Manager


 

A Income Markets é uma marca registada de educação financeira com o objetivo de fomentar a literacia financeira da sociedade. O nosso site contém apenas a nossa opinião e existe apenas para fins formativos e informativos. Antes de investir em ativos financeiros é imperativo que procure e faça formação financeira. Todo o material disseminado e publicado, incluindo artigos, dados e gráficos, é apenas para fins informativos, uma vez que a Income Markets, e os seus mentores, não efetuam nenhuma atividade de intermediação financeira e gestão de carteiras. Quaisquer opiniões, análises, preços ou outros conteúdos são fornecidos para fins educacionais e não constituem conselhos de investimento ou uma recomendação. O desempenho passado não é necessariamente indicativo de resultados futuros, e qualquer pessoa que atue nessas informações o faz inteiramente por sua conta e risco, não assumimos responsabilidade por qualquer perda ou dano, incluindo, sem limitação, qualquer perda de lucro, que possa surgir diretamente ou indiretamente do uso ou confiança em tais informações.

110 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page