top of page
income markets.jpg

ANÁLISES

Fique a par das novidades do mundo da alta finança e mantenha-se atualizado para fazer os melhores investimentos no momento certo.

ARTIGOS DE OPINIÃO

ANÁLISES  DE MERCADO

LANÇAMENTO DE ARTIGOS

NOVIDADES FINANCEIRAS

Sobreviver com taxas de juro a 0% (ou negativas)

“O risco vem de não se saber o que se está a fazer.” – Warren Buffett


Investir nunca foi fácil. Nós somos avessos ao risco por natureza e sofremos mais com uma perda do que saboreamos um ganho de dimensão equivalente. O leitor provavelmente não precisou de ler esta afirmação para se inteirar deste facto – esta forma de pensar é inerente à nossa condição e grupos de economistas e psicólogos já o provaram por diversas vezes.

Estes mecanismos de autodefesa têm-nos sido bastante úteis ao longo da nossa sobrevivência mas a prosperidade e o reconhecimento apenas galardoam os investidores inteligentes, os inovadores criativos e os empreendedores sábios. Simplificando: evitar todos os riscos permite-nos sobreviver mas saber aceitar riscos permite-nos enriquecer. Então porque não arriscamos mais? Falta de conhecimento – nós tememos o desconhecido e a incerteza.


Uma das maiores incertezas que enfrentamos é como é que os investidores vão ser capazes de gerar um retorno positivo para as suas poupanças, num mundo com taxas de juro perto de 0%, ou até mesmo negativas. Os dias em que um aforrador podia depositar as suas poupanças no banco e receber mais de 3 ou 4% são um luxo do passado. No quadro abaixo apresentamos as diferentes taxas de juro que um residente no Reino Unido pode encontrar:

Estes valores estão corretos à data de 04/11/20.


Como é que isto me afeta?


Vamos considerar dois exemplos: Jane e Nicole.


A Jane pretende reformar-se dentro de 20 anos e como tal, decide contribuir £500 por mês para um fundo de pensões. Assumindo uma taxa de inflação de 2% e diferentes taxas de crescimento do seu fundo, quanto é que a Jane poderá retirar como rendimento mensal do fundo, com pouco risco de exaustar o fundo de pensões?


A Nicole tem 55 anos, é aposentada e tem um fundo de pensões avaliado em £600,000 do qual retira £3,000 por mês. Assumindo uma taxa de inflação de 2% e diferentes taxas de crescimento do seu fundo, quantos anos é que a Nicole pode razoavelmente esperar que o seu fundo dure?



Respostas:

Notas e pressupostos: 1) todos os dividendos são reinvestidos; 2) utilizámos uma taxa fixa de levantamento de 5% ao ano; 3) para a Jane, deduzimos a taxa de inflação anual das taxas de crescimento anual; 4) para a Nicole, ajustámos o levantamento anual (£36,000) de acordo com a taxa de inflação; 5) “Portfolio Life” representa o número de anos antes do portfólio chegar a 0; 6) as taxas de crescimento apresentadas são isentas de impostos e comissões



Daqui conseguimos tirar as seguintes conclusões:


- Não investir leva sempre aos piores resultados – diminuição do poder de compra e exaustão precoce do fundo.

- Tendo em conta que a esperança média de vida de um reformado é de 20 anos, o risco de um investidor durar mais que as suas poupanças é grande quando não está disposto a investir com risco (uma taxa de crescimento de 3% é representativo de um portfólio conservador enquanto que 5% é representativo de um portfólio de médio-risco) e podemos até argumentar que para muitos, o risco de longevidade é maior que o risco de investimento.

- Os investidores precisam de taxas de crescimento atrativas para cumprir os seus objetivos financeiros.

- Algumas das alternativas mais populares à tomada de risco em investir podem ser bastante dolorosas – uma combinação entre poupar mais/gastar menos ou adiar sucessivamente a idade da reforma.

- Os custos afetam diretamente a rendibilidade. Cada 1% adicional de custos e comissões irá reduzir diretamente a probabilidade de sucesso financeiro. Na Abacus Wealth Management, nós praticamos uma política de custos justos e transparentes porque medimos o nosso sucesso com base no sucesso dos nossos clientes.

- A taxa de rendibilidade após todos os custos e comissões (líquida) é o principal responsável por alcançarmos os nossos objetivos financeiros, não é a rendibilidade bruta nem a % total de custos por si só – estes conceitos estão todos interligados.


Se o leitor se consegue rever com a situação da Jane e da Nicole, nós na Abacus Wealth Management temos as ferramentas, conhecimento e licenças necessários para o ajudar. A inércia motivada por esperança que tudo irá correr bem não é uma estratégia de investimento que recomendemos.


Investir em períodos de taxas de juro a 0% (ou negativas):


Só para complicar isto mais um pouco, deparamo-nos hoje com o desafio de sermos obrigados a investir com taxas de juro historicamente baixas. Algo vulgarmente descrito como “sem precedente”. Como é que o caro leitor posiciona a sua carteira de investimentos face a esta realidade? É algo que discute abertamente com o seu gestor(a)/consultor(a) financeiro? O seu gestor(a)/consultor(a) financeiro já discutiu consigo todos os cenários e possibilidades? E se lhe disser que já nos deparámos com desafios semelhantes, apenas não durante as nossas vidas?


Source: Bridgewater Associates


A primeira vez que a Reserva Federal Americana (FED – o equivalente ao Banco Central Americano) cortou a sua taxa de juro para o limiar dos 0% foi em 1933. Na altura, os EUA (e o mundo) lutavam desesperadamente contra a depressão económica pós-1929, fruto de um colapso do mercado acionista. A segunda vez que a FED baixou a sua taxa de juro para 0% foi em 2020, como resposta à crise económica induzida pela pandémica COVID-19. A história não se repete mas rima frequentemente.


Acreditando que conhecimento é poder, nós embarcámos numa missão para estudar este período, com a esperança de conseguir retirar algumas conclusões que nos permitam aconselhar melhor os nossos clientes a navegar estes mares turbulentos. Para tal, comparámos os retornos, após inflação, de investir em ações (S&P500), dívida do tesouro americano com maturidade de 3 meses (semelhante a investir num depósito a prazo), dívida do tesouro americano com maturidade de 10 anos (um investimento “sem risco”) e ouro durante o período de 1932-1941:

Fonte: Bridgewater Associates

Os dados surpreendem-nos pouco: num mundo onde os aforradores têm poucos incentivos para não investir, ou investir em depósitos a prazo, os ativos de risco tendem a ter um retorno positivo mas abaixo da sua média de longo prazo. Ao mesmo tempo, ações e ouro tendem a ser dos principais beneficiários de um aumento do endividamento e de impressão de dinheiro, que por norma acompanha taxas de juro baixas. Outra conclusão pouco surpreendente é que períodos de taxas de juro perto de 0%, ou mesmo negativas, tendem a coincidir com preços elevados em vários ativos financeiros, o que por sua vez conduz a rendibilidades abaixo da média de longo prazo, mas mesmo assim ainda positivos.


Por último, vale a pena realçar que períodos de taxas de juro perto de 0% podem prolongar-se muito mais do que inicialmente esperado, e que o depósito a prazo regista o pior desempenho quando comparado com quase todos os outros investimentos. As provas estão debaixo das nossas barbas. O banco central Japonês cortou a taxa de juro para 0% em 1999, apenas para a reduzir para -1% em 2016. No mesmo ano, o Banco Central Europeu também cortou a taxa de juro da Zona Euro para 0%. Ambos os bancos centrais reafirmaram recentemente a sua intenção de ancorar as taxas de juro em valores ‘muito baixos’ nos próximos 3 anos. Quem sofreu mais com estas medidas? Os aforradores. Entre 2016 e 2020, os investidores em ações europeias (Índice Stoxx 600) e em ações japonesas (Índice Topix 100) registaram ganhos de 13.68% e 10.89%, respetivamente.


O leitor provavelmente está a pensar que isto é tudo demasiado complexo e requer demasiado tempo para lidar sozinho… Temos boas notícias: não precisa de o fazer. Ao trabalhar com um consultor da Abacus Wealth Management beneficia de todo o nosso conhecimento, ferramentas e experiência ao seu dispor. Contacte-nos ou agende uma reunião através do nosso website, se não sabe como melhor se posicionar para tirar máximo proveito deste ambiente de mercado, ou se simplesmente deseja proteger o seu património e da sua família de todas as incertezas que a vida traz. Aguardamos por ouvir novidades suas.



João Feliciano Martins

Wealth Manager


 

A Income Markets é uma marca registada de educação financeira com o objetivo de fomentar a literacia financeira da sociedade. O nosso site contém apenas a nossa opinião e existe apenas para fins formativos e informativos. Antes de investir em ativos financeiros é imperativo que procure e faça formação financeira. Todo o material disseminado e publicado, incluindo artigos, dados e gráficos, é apenas para fins informativos, uma vez que a Income Markets, e os seus mentores, não efetuam nenhuma atividade de intermediação financeira e gestão de carteiras. Quaisquer opiniões, análises, preços ou outros conteúdos são fornecidos para fins educacionais e não constituem conselhos de investimento ou uma recomendação. O desempenho passado não é necessariamente indicativo de resultados futuros, e qualquer pessoa que atue nessas informações o faz inteiramente por sua conta e risco, não assumimos responsabilidade por qualquer perda ou dano, incluindo, sem limitação, qualquer perda de lucro, que possa surgir diretamente ou indiretamente do uso ou confiança em tais informações.

74 visualizações

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page